sexta-feira, 20 de junho de 2008

Cultura Brasileira: Reconhecendo a honra de verdadeiros heróis

Esta semana me deparei com algo realmente emocionante. E digo no sentido patriótico da palavra. Aquele aperto no peito que lhe faz esquecer as amarguras da política brasileira e lhe dá vontade de cantar pelo seu país. Também não estou falando da Copa do Mundo, momento onde toda a população se reúne para cantar o Hino Nacional ante a televisão e andar pelas ruas com nossa bandeira. Estou falando de heróis, e heróis esquecidos pela nossa história.
Acredito que muitos de nós nunca ouvimos falar, principalmente nos livros de história escolares, sobre a FEB, os 17 de Atebaia ou nunca até mesmo vimos o logo de uma cobra fumando um cachimbo. Talvez isso soe até estranho a primeiro momento, mas é uma história digna de orgulho.
A Força Expedicionária Brasileira teve papel importantíssimo nos combates realizados na Itália ao final da Segunda Guerra Mundial. Dentre sacríficios e atos valorosos, nossos soldados conseguiram grande vitória em Monte Castello e trouxeram orgulho para a força dos Aliados. Mas, ao chegarem ao Brasil, se depararam com a pura realidade de serem esquecidos e mal remunerados.
E dá-lhe importância que tiveram! Ficariam surpresos em saber que o próprio Walt Disney fez um desenho do símbolo da FEB. Sim, o lendário Walt Disney ! A cobra fumando, com dois revólveres em fogo, trajada para a guerra, colocada sobre a inscrição "A cobra está fumando!".
E foi até interessante tocar neste assunto. Dizia-se, sob o temor da guerra, que era mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na Grande Guerra. E lá estavam os pracinhas com o logo da cobra fumando um cachimbo em seus uniformes.
Mas, tão intrigante quanto a história, é a carta do Dr. Otton, enviada ao amigo de guerra, já morto, no cemitério brasileiro da Itália, relembrando seus momentos e companheiros e contando a atual situação em que se encontravam os soldados que retornaram ao Brasil. A carta parte de um desabafo e chega, extraordinariamente, a uma crítica à política brasileira, tão atual quanto o foi na época. E então pula para uma revolta social interessante. Sendo escrita em 1958, o Dr. Otton se irrita pela valorização grandiosa ("heróica") dos JOGADORES DE FUTEBOL, que apenas jogam bola, em quanto os soldados lutavam pelos seus direitos pós-guerra e por condições sustentáveis de vida.
Para tanto, empolguei-me com a história da FEB e de sua luta heróica pelo patriotismo e decidi fazer minha homenagem a eles. Começarei em breve uma série de pequenos capítulos que contarão uma história fictícia, somada aos fatos reais que aconteceram (respeitando sempre a trajetória dos verdadeiros heróis) sobre a empreitada dos pracinhas na Segunda Guerra, intercalando à carta do Dr. Otton. É uma singela homenagem que também servirá para que o leitor possa conhecer um pouco dos verdadeiros heróis brasileiros.

Viva os pracinhas !


Emblema da FEB



Homenagem de Walt Disney à FEB



Comunicado da FEB no período da convocação para a Guerra

3 comentários:

Máh Barrocas disse...

Que lindoo *.*
Queroo ler agoraa as devidas homenagens pra conhecer mais sobre isso! ;)

beeijuuuuus Máh

Máh Barrocas disse...

Euu inspiradaa?
so um tikiiin ;)*
Tava precisando escrever e por pra foraa TUDOO!
hahhahaha
beeijooos Máh!

Mad Hatter disse...

na verdade, é tudo uma conspiração.
xD

keep up the good work, ya!